ZÉ DO CAIXÃO: UM MITO POPULAR NOS ANOS DE CHUMBO

  • André Renato Oliveira Silva Universidade Federal de São Paulo

Resumo

Ritual dos Sádicos (1970) é o terceiro longa-metragem dirigido por José Mojica Marins com a presença de Zé do Caixão. No entanto, é o primeiro em que o famoso personagem aparece apenas enquanto figura de ficção cinematográfica. Mergulhado em metalinguagem, o cineasta realiza aqui o seu primeiro filme com proposta assumidamente “intelectual”: lastreado pelo sucesso popular sem precedentes do sinistro coveiro, alçado então a uma esfera já quase mítica, José Mojica Marins peleja para defender a sua obra cinematográfica frente a parte considerável da crítica especializada do período, e principalmente frente aos aparelhos de repressão da ditadura militar em seu período mais duro, pós-AI5 (1968). Este trabalho se propõe a investigar os elementosque poderiam levar a caracterizar Zé do Caixão como um mito contemporâneo, tomando como referencial teórico a antropologia estrutural de Claude Levi-Strauss e como objeto a obra de José Mojica Marins – particularmente o filme acima citado – e de outras obras inspiradas por aquela, dentro do contexto político-cultural específico no Brasil entre os anos de 1968 e 1978 – período em que vigorou o Ato Institucional número 5.

Referências

BARCINSKI, André; FINOTTI, Ivan. Zé do Caixão: Maldito – a biografia. 2. ed. Rio de Janeiro: DarkSide Books, 2015.
BARTHES, Roland. Mitologias. 11. ed. Rio de Janeiro: ed. Difel, 2003.

BRANDÃO, Ignácio de Loyola. “Diabos estão na Terra lançando terror”. Ùltima Hora, São Paulo, 14 nov. 1964.

FERNANDEZ, A. A. Entre la démence et la transcendance: José Mojica Marins et le cinéma fantastique. 2000. 400 p. Tese (Doutorado). Institut de Recherche en Cinéma et Audiovisuel, Université Paris III – Sorbonne Nouvelle, Paris, 2000.

LEITE, Maurício Gomes. “À Meia-Noite Levarei Sua Alma”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 7 jun. 1966.

LEVI-STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural. 5. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

PAIVA, Salvyano Cavalcanti de. “À Meia-Noite Levarei Sua Alma”. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 7 jun. 1966.

PERDIGÃO, Paulo. “À Meia-Noite Levarei Sua Alma”. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 8 jun. 1966.

PEREIRA, Miguel. “Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver”. O Globo, Rio de Janeiro, 28 abr.
1967.
PUPPO, Eugênio; AUTRAN, Arthur. Entrevista com José Mojica Marins. In: PUPPO, Eugênio (org.). José Mojica Marins: 50 anos de carreira. São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil, 2007.

RAMOS, Paulo. “Horror dá sorte no cinema”. Folha de S. Paulo, 17 mar. 1967.

Ritual dos Sádicos (O Despertar da Besta). Direção: José Mojica Marins. Produção: José Mojica Marins, Giorgio Attili e George Michel Serkeis. In: Coleção Zé do Caixão. São Paulo: Focus / Flash Novodisc, disco 5. P&B / colorido, NTSC. 91 min.

SENADOR, Daniela Pinto. Das primeiras experiências ao fenômeno Zé do Caixão: um estudo sobre o modo de produção e a recepção dos filmes de José Mojica Marins entre 1953 e 1967. 2008. 330 p. Dissertação (mestrado). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.
S
TERNHEIM, Alfredo. “Horror nacional”. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 16 mar. 1967.
Publicado
2018-06-30
Como Citar
OLIVEIRA SILVA, André Renato. ZÉ DO CAIXÃO: UM MITO POPULAR NOS ANOS DE CHUMBO. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 8, n. 2, jun. 2018. ISSN 1980-7732. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/153>. Acesso em: 25 set. 2018.