POEMA_PROGRAMAÇÃO, DE CELINA GOMES: EXEMPLO DA TRADUÇÃO DA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA PELA DIGITAL NA CONTEMPORANEIDADE VIRTUAL

  • Celina de Oliveira Barbosa Gomes IFPR

Resumo

 A fruição estética expressa por meio da literatura encontrou na poesia, segundo Neitzel (2006), uma signifcativa forma de manifestação. Por sua vez, o poema tradicional – caracterizado, na concepção de M. Cavalcanti Proença em Ritmo e Poesia (1955), como poema metrifcado, baseado na métrica latina da quantidade silábica – parece ter se estabelecido como forma poética mais convencional, não obstante diferentes confgurações pelas quais se manifestam o fazer poético – confgurações que, segundo Friedrich (1978), caracterizam-se, desde a lírica moderna do séc. XX, de forma enigmática, obscura, revelando um caráter de dissonância entre forma e sentido, uma prática de experimentação. Com o passar dos anos, o conceito de poesia e, consequentemente, o de poema, passou, portanto, por uma série de ressignifcações, justifcadas por mudanças históricas e estéticas, advindas das transformações sociais e econômicas. Com isso, deu-se a chamada poesia ou lírica moderna, apresentando feições plurais, como a da poesia digital. Este trabalho apresenta uma análise do texto Poema_PROGRAMAÇÃO, de Celina Gomes, como exemplo desse tipo de produção e, sobretudo, como tradução da experiência estética suscitada por um momento histórico que causou diferentes discussões no país, no ano de 2016, a saber, a ocasião dos debates sobre a reforma do ensino médio. A presente abordagem contempla a forma de produção da obra e a maneira como o conceito de poesia “se realiza” pela execução do poema/programa, validando diferentes interpretações sob o mote reflexivo da reforma do ensino médio. As relações entre o espaço real e virtual na contemporaneidade também são mencionadas, bem como a forma como elas colaboram para o amálgama entre tecnologia e literatura.

Referências

ANTONIO, Jorge Luiz. Tecno-arte-poesia. O eixo e a roda. Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 109-129, 2011.
ARISTÓTELES. A poética clássica. Aristóteles, Horácio, Longino. Trad. Jaime Bruma. São Paulo: Cultrix, 2005.
ARISTÓTELES. Poética. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
BENJAMIN, Walter. Paris, the Capital of the Nineteenth Century. In: The writer of modern life: essays on Charles Baudelaire / Walter Benjamin. Cambridge: Harvard University Press, 2006, p. 30-46.
BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix; Ed. da Universidade de São Paulo, 1977.
CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. Belo Horizonte: Itatiaia, 1989.
CORRÊA, Alamir Aquino (Org.) Ciberespaço: mistifcação e paranóia. Londrina: UEL, 2008.
DE MAN, Paul. Lyric and Modernity. In: Blindness and Insight. NY: Oxford University Press, 1971.
FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da Lírica Moderna. São Paulo: Duas Cidades, 1978.
GOMBROWICZ, Witold. Contra os poetas. Disponível em:< http://sibila.com.br/critica/contraos-poetas/11722#>. Acesso em 19 set. 2016.
GOMES, Celina. Poema_PROGRAMAÇÃO. In: II Semana do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas do IFPR. Assis Chateaubriand – PR: IFPR, 2017.
HAYLES, Katherine. Literatura Eletrônica: novos horizontes para o literário. Trad. Luciana Lhullier e Ricardo Moura Buchweitz. São Paulo: Global, 2009
JAEGER, W. O Valor educativo da poesia. In: Paideia, a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 1995, p. 978-986.
MIHO, Sílvia Regina Gomes. Poesia + computador = poéticas aplicadas: poesia e crítica em meios eletrônicos. Ipotesi. Juiz de fora, v.14, n.1, p.31-41, jan./jul.2010.
MORAES, Paulo Sérgio de. Curso Básico de Lógica de Programação. São Paulo: Unicamp, 2000.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Sensibilização poética: educar para a fruição estética. Coleção Plurais.Letras em Revista (ISSN 2318-1788), Teresina, v. 08, n. 02, jul./dez. 2017. 169 Itajaí: UNIVALI; Maria do Cais, 2006.
NUNES, Benedito. Interpretação, discurso e verdade. In: Hermenêutica e Poesia. Belo Horizonte: Ed. UFMG. 1999, p. 73-90.
NÚÑEZ, Rafael R. Preliminar. In: La Poesía. Madrid: Síntesis. 1998, p. 11-17.
PAZ, Octavio. A Linguagem. In: O Arco e a Lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1982, p. 35-58.
PAZ, Octávio. Os flhos do barro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1974.
RORTY, Richard. O fogo da vida. Disponível em:< http://ghiraldelli.pro.br/wp-content/uploads/ The_Fire_of_Life.rtf.pdf>. Acesso em 16 set. 2016.
SHELLEY, Percy. Defesa da Poesia. Lisboa: Guimarães, 1972.
Publicado
2018-07-20
Como Citar
DE OLIVEIRA BARBOSA GOMES, Celina. POEMA_PROGRAMAÇÃO, DE CELINA GOMES: EXEMPLO DA TRADUÇÃO DA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA PELA DIGITAL NA CONTEMPORANEIDADE VIRTUAL. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 8, n. 2, jul. 2018. ISSN 1980-7732. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/166>. Acesso em: 15 nov. 2018.