UM RAIO QUE A HISTÓRIA NUNCA VAI APAGAR: A CONSTRUÇÃO DA NARRATIVA DO MITO USAIN BOLT NO PROGRAMA ESPORTE ESPETACULAR

  • Claudia Nandi Formentin Faculdade Satc
  • Elton Luiz Gonçalves UNISUL

Resumo

Usain Bolt, atleta velocista, ganhou destaque na Olimpíada de Pequim em 2008 ao conquistar três medalhas de ouro e bater três recordes mundiais. Nas duas olimpíadas seguintes foram, novamente, seis ouros conquistados nas provas de 100 e 200 metros e 4x100m. Toda essa trajetória esportiva ganhou notoriedade na imprensa mundial e, nessa perspectiva, nos propusemos a constatar, a partir dos estudos de Vogler (2006), uma construção da narrativa mítica na reportagem Maior da história, Bolt se despede dos 100m rasos com derrota, mas alegria mesmo assim, de uilherme Roseguini, veiculada no programa Esporte Espetacular da Rede Globo de TV, em 06 de agosto de 2017. Na análise, foi possível constatar metodologicamente os doze estágios da narrativa mítica do jamaicano e como ela contribuiu para evidenciar o modelo simbólico do herói Bolt. A pesquisa então considerou que a Jornada do Herói é uma valiosa ferramenta dos processos comunicacionais, pois permite perceber a complexidade das narrativas míticas nos mais diversos relatos de vida, tanto do passado quanto contemporâneos.

Referências

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. 10. ed. São Paulo: 1997.
DURAND, Gilbert. Campos do imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.
______________. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. 3. ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 2004.
FERREIRA-SANTOS, Marcos; ALMEIDA, Rogério de. Aproximações ao imaginário: bússola de investigação poética. São Paulo: Képos, 2012.
GOMES, Eunice Simões Lins. A Catástrofe e o Imaginário dos Sobreviventes: quando a imaginação molda o social. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2009.
ROSEGUINI, Guilherme. Maior da história, Bolt se despede dos 100m rasos com derrota, mas alegria mesmo assim. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2017.
ROSÁRIO, Nísia Martins do. Televisão: simulação em tempo real, sedução em tempo integral. Verso Reverso. São Leopoldo, v. 32, n.--, p. 81-92, 2002.
RUBIO, Katia. O atleta e o mito do herói: o imaginário esportivo contemporâneo. São Paulo: Casa do psicólogo, 2001.
SIRONNEAU, Jean-Pierre. Imaginário e Sociologia. In: ARAÚJO, F. A.; BAPTISTA, F. P. (org.). Variações sobre o Imaginário: domínios, teorizações, práticas hermenêuticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2003. p. 219-237.
TEIXEIRA, Alexandre Henrique Carvalho. Mitiáticos e Coexistentes: Mídia, Mito e Midiações. 2005. f. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Programa de Pós-Graduação em Comunicação. Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, UNESP, Bauru, maio, 2005.
VOGLER, Christopher. A jornada do escritor: estrutura mítica para escritores. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.
Publicado
2018-07-25
Como Citar
FORMENTIN, Claudia Nandi; GONÇALVES, Elton Luiz. UM RAIO QUE A HISTÓRIA NUNCA VAI APAGAR: A CONSTRUÇÃO DA NARRATIVA DO MITO USAIN BOLT NO PROGRAMA ESPORTE ESPETACULAR. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 8, n. 2, jul. 2018. ISSN 1980-7732. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/173>. Acesso em: 25 set. 2018.