POR UMA DIDATIZAÇÃO DA SEMÂNTICA ARGUMENTATIVA: O CASO DO GÊNERO NOTÍCIA

  • Thiago Magno de Carvalho Costa UFPB
  • Mônica Mano Trindade Ferraz UFPB

Resumo

Este artigo é um recorte de uma pesquisa de mestrado sobre livros didáticos (LD) de português para o Ensino Médio, na qual buscou-se identificar a abordagem acerca da argumentação (retórica e/ou linguística) nas atividades propostas com quatro gêneros textuais postos como argumentativos. Nesse sentido, aqui,  pretende-se mostrar que é possível apresentar uma atividade com um gênero textual não posto como argumentativo, segundo os LD, apresentando ambas as concepções argumentativas, tomando como base a Nova Retórica, de Chaïn Perelman (1999), e a Teoria da Argumentação na Língua, de Oswald Ducrot (1987; 1988). A título de sugestão, propomos uma atividade, aos moldes da Análise Linguística, para tentar preencher a lacuna entre o que está prescrito nos documentos oficiais e o que efetivamente é ensinado aos alunos. Fundamentamos a análise com o apoio teórico de Nascimento (2009; 2012), Koch (2000), Espíndola (2001; 2004) e Cabral (2010), Geraldi (1984), entre outros.

Referências

ARISTÓTELES. Retórica. 2. ed. Trad. Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa/Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2005.
AZEVEDO, Tânia Maris de. Semântica argumentativa: a teoria e seu potencial para a pesquisa e o ensino. In: FANTI, Maria da Glória di. BARBISAN, Leci Borges (orgs.). Enunciação e discurso: tramas de sentido. São Paulo: Contexto, 2012. p. 166-187.
_______. O sentido no discurso: o olhar da Teoria da Argumentação na Língua. In: FANTI, Maria da Glória di. BARBISAN, Leci Borges (orgs.). Enunciação e discurso: tramas de sentido. São Paulo: Contexto, 2012. p. 133-151.
BAKTHIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. Estética da criação verbal. 2. ed. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
BARBISAN, Leci Borges. Semântica Argumentativa. In: BASSO. Renato; FERRAREZI JUNIOR, Celso (org.). Semânticas, semântica: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2013, p. 19-30.
BAZERMAN, Charles. Gênero, agência e escrita. Tradução e adaptação Judith Chambliss Hoffnagel. São Paulo: Cortez, 2006.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: primeiro e segundo ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
CABRAL, Ana Lúcia Tinoco. A força das palavras: dizer e argumentar. São Paulo: Contexto, 2010.
DUCROT, Oswald. Esboço de uma teoria polifônica da enunciação. In: DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Campinas, SP: Pontes, 1987, p. 161-218.
________. Polifonia y Argumentación: Conferencias del Seminario Teoría de la Argumentación y Análisis del Discurso. Cali, Universidad del Valle, 1988.
________. Slovenian Lectures: introduction into argumentative semantics. Pedagoski institut, 2009. (Disponível em: http://www.pei.si/Sifranti/StaticPage.aspx?id=70).
ESPÍNDOLA, Luciene. “NÉ”, (EU) “ACHO” (QUE) E “AÍ”: operadores argumentativos no texto falado. (Tese de Doutorado). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1998.
_______. A argumentatividade na carta de Pero Vaz de Caminha. In: ABRALIN, Boletim da Associação Brasileira de Linguística. Fortaleza: Imprensa Universitária/UFC, 2001. p. 329-31.
_______. A entrevista: um olhar argumentativo. João Pessoa: EDUFPB, 2004.
FARACO, Carlos Emílio. MOURA, Francisco Marto de. MARUXO JÚNIOR, José Hamilton. Língua Portuguesa: linguagem e interação. Vol 1. São Paulo: Ática, 2012.
GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula: leitura e produção. 3. ed. Cascavel, Assoeste, 1984.
KOCH, Ingedore G. V. A inter-ação pela linguagem. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2000.
MARCUSCHI, Luiz Antonio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.
NASCIMENTO, Erivaldo Pereira do. Jogando com as vozes do outro: argumentação na notícia jornalística. João Pessoa: Editora Universitária, 2009.
_______. Gêneros textuais, argumentação e ensino. In: PEREIRA, Regina Celi Mendes (org.). A didatização dos gêneros no contexto de formação continuada em EaD. João Pessoa: EDUFPB, 2012. p. 43-94.
NASCIMENTO, Erivaldo Pereira do. SILVA, Joseli Maria da. O fenômeno da modalização. In: NASCIMENTO, Erivaldo Pereira do (org.). A argumentação na redação comercial e oficial: estratégias semântico-discursivas em gêneros formulaicos. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2012, pp. 63-100.
NASCIMENTO, Erivaldo Pereira do; SILVA, Raquel Ferreira da. O secretariado e a produção textual: a argumentação no gênero declaração. Revista de Gestão e Secretariado, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 145-169, jul./dez. 2011.
PERELMAN, Chaim. O império retórico: retórica e argumentação. 2. ed. Lisboa: Asa Editores, 1999.
SILVA. Joseli Maria da. Modo, modalidade, modalização: autonomia semântico-discursiva em expressões verbais. Revista Prolíngua. v. 7, n. 2, p.41-58, jul/dez. 2012.
Publicado
2018-07-26
Como Citar
COSTA, Thiago Magno de Carvalho; FERRAZ, Mônica Mano Trindade. POR UMA DIDATIZAÇÃO DA SEMÂNTICA ARGUMENTATIVA: O CASO DO GÊNERO NOTÍCIA. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 8, n. 2, jul. 2018. ISSN 1980-7732. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/179>. Acesso em: 21 out. 2018.