As várias faces de Dorian Gray

  • Juliana Prestes de Oliveira UFSM
  • Amanda Laís Jacobsen de Oliveira UFSM
  • Anselmo Peres Alós UFSM

Resumo

Neste trabalho buscamos analisar como se dá a relação entre a literatura e a pintura no romance O retrato de Dorian Gray (1993), do escritor Oscar Wilde. A partir da leitura e análise da obra, observamos o modo como o autor utiliza-se da linguagem para expor essas duas artes, sem que uma fique em um plano mais elevado que a outra, mas sim tratando as duas como forma de expressão artística do mesmo nível, apesar das suas diferenças. Além disso, percebemos que o autor aborda o modo como a sociedade constrói e aplica seus ideais estéticos através das discussões e reflexões dos personagens. Wilde nos revela os mais variados desejos e experiências que o ser humano pode ter e as consequências ou marcas que a realização desses pode deixar em nossas vidas ou alma. Como principais teorias norteadoras, utilizamos as perspectivas de Camile Paglia (1992), sobre a beleza destruidora de Dorian, e de Sânderson R. de Mello (2010) e de Aguinaldo J. Gonçalves (2011) para discutir sobre Ut Pictura Poesis e a relação entre literatura e pintura.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Licenciada em letras Português-inglês, pela UTFPR e Mestra em Letras Literatura, pelo PPGLetras, UFSM/RS. Atualmente é doutoranda em Letras Literatura, bolsista CAPES/DS, e acadêmica do Curso EaD de Especialização em TICs aplicadas à educação, ambos pela UFSM. Possui experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura, Literatura Brasileira, Literatura Portuguesa, Literatura e Memória e Literatura, cultura e interdisciplinaridade

##submission.authorWithAffiliation##

Doutoranda e Mestra em Letras Literatura, na linha de pesquisa Literatura, cultura e interdisciplinaridade, pelo PPGLetras, UFSM/RS, como bolsista CAPES/DS. Licenciada em Letras Português-Inglês (UTFPR). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura, literaturas de língua inglesa, literatura contemporânea, literatura, cultura e interdisciplinaridade

##submission.authorWithAffiliation##

Possui graduação e Doutorado em Letras, pela UFRGS, e Pós-Doutorado, pela UFPE. É professor Adjunto na UFSM/RS. Foi Professor-Visitante na UNILA, Professor-Leitor junto ao Instituto Superior de Ciência e Tecnologia de Moçambique e Professor-Colaborador do Centro Cultural Brasil-Moçambique e do Instituto Superior de Comunicação e Imagem de Moçambique. Tem experiência na área de Letras, com ênfase nos seguintes temas: Literatura Comparada e Teoria Literária.

Referências

FRITSCH, Ana J. A ironia: processos discursivos e visão de mundo em O retrato de Dorian Gray. 2008. 90 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade de santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2008. Disponível em: < http://www.unisc.br/portal/images/stories/mestrado/letras/dissertacoes/2006/ana_julia_fritsch.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2014.

GONÇALVES, A. J. Ut Pictura Poesis: uma questão de limites. Revista USP, São Paulo, n 3, nov. 1989, p. 177-184. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/25493>. Acesso em: 19 nov. 2014.

GONÇALVES, Karen A. Do livro as telas: traduções intersemióticas de Dorian Gray. 2011. 77 f. Manografia (Faculdade de Bibliotecomia e Comunicação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: < https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/37573/000820155.pdf?sequence=1>. Acesso em: 19 nov. 2014.

MARIANI, Sérgio L. S. Dorian Gray: um retrato do narcisismo sob a ótica de Alexander Lowen. In: Encontro Paranaense, Congresso Brasileiro, Convenção Brasil/Latino-América, XIII, VIII, II, 2008. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2008. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-13-2]. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2014.

MELLO, S. J. Ut Pictura Poesis e as Origens Críticas da correspondência entre a literatura e a pintura na antiguidade clássica. Miscelânea, Assis, vol.7, jan/jun 2010, p. 215-241. Disponível em: < http://www.assis.unesp.br/Home/PosGraduacao/Letras/RevistaMiscelanea/v7/sanderson.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2014.

PAGLIA, Camile. O menino bonito como destruidor: The Picture of Dorian Gray. In: Personas sexuais: arte e decadência de Nerfetite a Emily Dickinson. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 470-486.

TENÓRIO, Patrícia. O Retrato de Dorian Gray: a luta entre o Bem e o Mal no romance de Oscar Wilde e na pintura de Ivan Le Lorraine Albright. Intersemiose, Pernambuco, n. 3, jan/jul 2013, p. 170-180. Disponível em: < http://www.neliufpe.com.br/wp-content/uploads/2013/07/13.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2014.

WILDE, Oscar. Páginas de autocrítica: Dorian Gray. In: Mendes, Oscar (org. e trad.) Obra completa, Oscar Wilde. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995, p. 1315-1330.

______. O retrato de Dorian Gray. Trad. João do Rio. Rio de Janeiro: Imago,1993.
Publicado
2020-04-22
Como Citar
PRESTES DE OLIVEIRA, Juliana; JACOBSEN DE OLIVEIRA, Amanda Laís; PERES ALÓS, Anselmo. As várias faces de Dorian Gray. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 10, n. 2, abr. 2020. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/188>. Acesso em: 25 maio 2020.