Configuração genológica: uma abordagem do texto/discurso literário

  • Hugo Lenes Menezes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI)

Resumo

Uma das mais fecundas relações dentro das Letras e da Linguística é a da pessoa humana com a linguagem, que tem a única dimensão de existência no texto/discurso e seus gêneros, uma vez que é por essa via que nos manifestamos diante dos outros e do mundo, sobretudo em nível de linguagem verbal, matéria-prima do ludismo do texto/discurso literário, cuja configuração genológica abordamos no presente artigo, em particular numa de suas formas, nomeadamente o romance-folhetim.

Referências

AUGENOT, Marc. Glossário da crítica contemporânea, Lisboa, Editorial Comunicação, 1984.
BAGNO, Marcos. Sobre peixes e linguagem. In: ANTUNES, Irandé. Análise de textos. São Paulo: Parábola Ed., 2010.
BARTHES, Roland. O prazer do texto. Lisboa: Edições 70, 1973.
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1997.
CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993.
_________. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000.
_________. O Romantismo no Brasil. São Paulo: Humanitas, 2004.
CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. São Paulo: Ática, 1989.
CLAIR, Janete. Entrevista concedida em 1973 à Revista Veja, da Editora Abril. In: http://veja.abril.com.br/especiais/35_anos/ent_clair.html. Consulta em 01 de agosto de 2019.
_________. Teledramaturgia. In: http://www.teledramaturgia.com.br. Consulta em 16 de julho de 2019.
COELHO, Eduardo Prado. A palavra sobre a palavra. Porto: Portucalense Ed., 1972.
FÁVERO, Leonor Lopes; KOCH, Ingedore G. Villaça. Linguística textual: introdução. São Paulo: Cortez, 1988.
HEGEL, Friedrich. Estética. Lisboa: Guimarães Ed., 1980.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. O Romance Brasileiro de 1752 a 1930. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1952.
HYELMSLEV, Louis. Résumé d’une théorie du langage. Travaux du cercle linguistique de Copenhague XVI. Copenhague: Nordisk Sprog-og Kulturforlag. [Traduction française partielle das Nouveaux Essais, Paris, P.U.F., 1985, p.87-130].
JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1973.
LAJOLO, Marisa Philbert. Literatura comentada: Machado de Assis. Abril Educação, 1980.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. A questão do suporte dos gêneros textuais. In: http://www.periodicos.ufpb/ojs/index.php/dclv/article//view/7434/4503. Acesso em 01 de agosto de 2019.
MAYER, Marlyse. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
MOISÉS, Massaud. Alusão. In: Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 1982.
NORRIS, Sigrid. Identity in (inter)action: introducing multimodal (inter)action analysis. De Gruyter Mouton, 2011.
ORLANDI, Eni Pulccinelli. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 2006.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Roland Barthes. São Paulo: Brasiliense, 1985.
REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia: do Romantismo até nossos dias. São Paulo: Paulus, 1991.
SAINTE-BEUVE. De la littérature industrielle. In: Revue des Deux Mondes. Paris, 01/09/1839.
VYGOTSKY, Lev. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
Publicado
2020-04-21
Como Citar
MENEZES, Hugo Lenes. Configuração genológica: uma abordagem do texto/discurso literário. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 10, n. 2, abr. 2020. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/211>. Acesso em: 25 maio 2020.