A CONSTRUÇÃO DE REFERENTES EM MEMES: UMA ANÁLISE DOS PROCESSOS REFERENCIAIS

  • Franklin Oliveira Silva UESPI
  • Jorgea Karine da Silva Rosa

Resumo

Os textos tem se reinventado em cada nova forma de comunicação, especialmente no advento da internet. Misturando imagens e textos verbais, interagimos em novos formatos, o que nos tem motivado a elaborar um estudo sobre como se dá a construção de sentidos nessa mixagem virtual. Os memes enquanto gêneros textuais revelam essa peculiaridade e recebem, nesta investigação, atenção especial. O presente artigo pretende analisar como o referente Bolsonaro é construído em memes, refletindo sobre as possíveis relações entre os processos referenciais e os propósitos comunicativos desse gênero. Embasado em teóricos como Cavalcante (2011), Dawkins (1976), Fontanella (2009), Kress, Leeuwen (2001), Koch (2008), Marcuschi (2010), Moraes (2011), Pinheiro (2012), Recuero (2006), Toledo (2009), esse trabalho tem natureza descritiva e qualitativa. O corpus coletado é composto por 20 memes selecionados com base nas seguintes condições: ter como referente principal o presidente Bolsonaro e ser composto linguagem verbo-imagética. Percebemos, como resultados, uma construção crítica e bem humorada do referente, utilizando como processo principal a recategorização que acontece, muitas vezes, pela relação entre imagem e palavra.

##submission.authorBiography##

Jorgea Karine da Silva Rosa

Bolsista PIBIC e Aluna do curso de Licenciatura Plena em Letras/Português (UESPI), orientada do Prof. Dr. Franklin Oliveira Silva

Referências

BLACKMORE, S. The Meme Machine. Oxford: Oxford University Press, 1999.
CASTRO, Lorena Gomes Freitas de; CARDOSO, Thiago Gonçalves. Memes: os replicadores de informação.
In: Anais eletrônicos do VI ENPOLE. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, Janeiro de 2015. Disponível em . Acesso em: maio de 2015.
CAVALCANTE, Mônica. Processos de referenciação: uma revisão classificatória. In: Anais do XIX ENANPOLL. Alagoas: UFAL, 2004.
CAVALCANTE, M. M. Referenciação: sobre coisas ditas e não ditas. Fortaleza: Edições UFC, 2011.
CAVALCANTE, M. M. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2012.
CAVALCANTE, M.M. Expressões referenciais - uma proposta classificatória. Cadernos de Estudos Linguísticos, 44, Campinas, IEL/Unicamp, pp. 105-118.
DAWKINS, Richard. O Gene egoísta. Tradução de Geraldo H.M. Florsheim. São Paulo: Companhia das Letras, 1976.
FONTANELLA, Fernando. O que é um meme na internet? Proposta para uma problemática da memesfera. In: Anais do III Simpósio Nacional da ABCiber, São Paulo, 2009.
KRESS, Gunther; LEEUWEN, Theo Van. Multimodal Discourse: the modes and media of contemporary
communication. Oxford University Press, 2001. p. 1-21. In LIMA, G.O.S. CASTRO, L.G.F.
Meme digital: artefato da (ciber)cultura. (Con)Textos Linguísticos, v. 10, n. 16, 2016. Disponível: http://
www.periodicos.ufes.br/contextoslinguisticos/article/view/13702.
KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.
KOCH, I.G.V; ELIAS, Maria Vanda. Ler e compreender os sentidos do texto. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2008.
MARCUSCHI, Luís Antônio. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C.; (Org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construções de sentido. São Paulo: Cortez, 2010. p. 11-80.
MORAES, Francine; MENDES, Gustavo; LUCARELLI, Talita. Memes na internet: a web 2.0 como espaço fecundo para propagação. In: Anais do Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação In: Recife, 2011.
PINHEIRO, Clemilton Lopes. Processos referenciais em textos multimodais: aplicação ao ensino. Anais do SIELP. Volume 2, Número 1. Uberlândia: EDUFU, 2012.
RECUERO, Raquel. Memes em Weblogs: proposta de uma taxonomia. Disponível em: www.raquelrecuero.com>campos2006. Acessado em: 28/02/19.
SHIFMAN, L. Memes in a Digital Culture. Cambridge: The MIT Press, 2014.
SILVA, Franklin Oliveira. Formas e Funções das introduções referenciais. 2013. 127f. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013.
SOUZA, Carlos Fabiano de. Memes: formações discursivas que ecoam no ciberespaço. VÉRTICES, Campos dos Goytacazes/ RJ, v.15, n. 1, p. 127-148, jan./abr. 2013.
TOLEDO, Gustavo Leal. Controvérsias Meméticas: a ciência dos memes e o darwinismo universal em Dawkins, Dennet e Blackmore. 2009. 471f. Tese de Doutorado. Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.
TOLEDO, Gustavo Leal. Uma crítica à memética de Susan Blackmore. Revista de Filosofia Aurora. Curitiba, v. 25, n. 36, p. 179-195, jan./jun. 2013. Disponível em: php/RF?dd1=7770&dd99=view>. Acesso em: 18 jun. 2019.
WAIZBORT, Ricardo. Dos genes aos memes: a emergência do replicador cultural. Episteme, Porto Alegre, n.16, p.23-44, jan./jun. 2003.
Publicado
2020-06-03
Como Citar
SILVA, Franklin Oliveira; ROSA, Jorgea Karine da Silva. A CONSTRUÇÃO DE REFERENTES EM MEMES: UMA ANÁLISE DOS PROCESSOS REFERENCIAIS. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 11, n. 01, jun. 2020. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/216>. Acesso em: 06 jul. 2020.