Literatura infantil e o gênero fábula: confluências

  • Clarissa Rosas UFPB/Doutorado

Resumo

O presente trabalho apresenta um panorama da fábula enquanto gênero textual e delineia sua inserção na literatura infantil, tendo em conta o processo histórico de formação dessa literatura. A caracterização do gênero fabulístico é feita a partir das noções de gêneros textuais enquanto “estruturas relativamente estáveis”, cujo caráter híbrido dialoga com o hibridismo próprio da fábula. Considerando a evolução histórica da fábula, que acompanha o desenvolvimento e a consolidação da literatura impressa, investigamos o surgimento de uma literatura voltada especialmente para o público infantil, que se apropriou de gêneros literários antes destinados ao público geral, como as lendas, os contos de fadas e as fábulas. Em seguida, apontamos que a configuração mais recente da fábula é preferencialmente em prosa, e não mais em verso.  Tendo em vista esse contexto, entendemos que tanto as fábulas se adequaram às mudanças formais do gênero no decorrer da história quanto é possível que as textualizações em prosa tenham como propósito alcançar mais facilmente o público infantil por meio da simplificação da linguagem e da maximização de seu potencial didático e moralizante.

Referências

ADRADOS, Francisco Rodríguez. Historia de la fábula greco-latina, 1 vol. Madrid: Editorial de la Universidad Complutense, 1979. Disponível em https://books.google.com.br/books?redir_esc=
y&hl=pt-BR&id=DjxJAAAAYAAJ&focus. Acesso em 12 de maio de 2017.
ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Traduzido por: Dora Flasksman. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos, 1981. Tradução de: L’enfant et la vie familiale sous l’ancien régime, 1975.
ARROJO, Rosemary. Oficina de Tradução: a teoria na prática. 5. ed. São Paulo: Ática, 2007. (Série Princípios, n. 74)
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Traduzido por: Maria Ermantina Galvão G. Pereira. 3.
ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. Tradução de: Estetika slovesnogo tvortchestva, 1979.
BUNN, Daniela. Da história oral ao livro infantil. In: Revista Estação Literária. Vagão-vol. 1. Curitiba, 2008. Disponível em http://www.uel.br/pos/letras/EL/vagao/ EL1Art6.pdf. Acesso em 16 dez. 2014.
CAMARGO, Luís. Ilustração do livro infantil. Belo Horizonte: Editora Lê, 1995.
CANDIDO, Antonio. O estudo analítico do poema. 3. ed. São Paulo: Terceira Leitura, FFLCH – USP, 1993.
CAVALCANTI, Aroldo José A. Contra-indicada para menores: fábula é coisa de adulto. In: Revista Ararobá – Pesquisa, Ensaios e Críticas Literárias. Ano 1, maio.2007.
COELHO, Nelly Novaes. A literatura infantil: história, teoria, análise. 3. ed. São Paulo: Quíron, 1984.
CORTÁZAR, Julio. Valise de cronópio. São Paulo: Perspectiva, 2006.
ESTEBAN, Mario Grande (tradução e introdução). Calila y Dymna. Madrid: Emiliano Escolar, 1981.
FERNANDES, Mônica Teresinha Ottoboni Sucar. Narrar: fábula. São Paulo: FTD, 2001. (Coleção Trabalhando com os gêneros do discurso)
FRYE, Northrop. Anatomia da Crítica. Traduzido por: Péricles E. S. Ramos. São Paulo: Cultrix, 1973.
Tradução de: Anatomy of criticism, 1957.
GOTLIB, Nádia Battela. Teoria do conto. São Paulo: Ática, 2006.
LACERDA, Nair (seleção, introdução e tradução parcial). Fábulas do mundo inteiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1993. (Coleção Clássicos da Infância)
LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura Infantil Brasileira: História & Histórias. 2. ed. São Paulo: Ática, 1985.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, A. P.;MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (org.). Gêneros textuais e ensino. 4. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.
________. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
MOISÉS, Massaud. A criação literária: Poesia. 16. ed. São Paulo: Cultrix, 2003.
________. Dicionário de termos literários. 12. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cultrix, 2004.
MUNDT, Renata de Souza Dias. A adaptação na tradução de literatura infanto-juvenil: necessidade ou
manipulação? In: Anais do XI Congresso Internacional da ABRALIC. 2008, p. 1-10. Disponível em
http://www.abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/073/RENATA_MUNDT.
pdf. Acesso em 22 nov. 2014.
OZAETA, M.ª Rosario. Los fabulistas españoles (con especial referencia a los siglos XVIII y XIX).
Alicante: Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes, 2003. Disponível em http://www.cervantesvirtual.
com/obra-visor/los-fabulistas-espaoles---con-especial-referencia-a-los-siglos-xviii-y-xix-0/html/.
Acesso em 12 mai. 2017.
PAÑCATANTRA. Traduzido por: Maria da Graça Tesheiner, Marianne Erps Fleming e Maria Valíria A. M. Vargas. 2. ed. São Paulo: Humanitas, 2004. Tradução de: Pañcatantra.
PIGLIA, Ricardo. Teses sobre o conto. In: Formas breves. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
POE, Edgar Allan. A filosofia da composição. In: Poemas e ensaios. Tradução Oscar Mendes e Milton Amado. São Paulo: Globo, 1999.
PORTELLA, Oswaldo O. A fábula. In: Revista de Letras. Curitiba, n. 32, p. 119-138, 1983. Disponível
em http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/letras/article/view/19338. Acesso em 09 ago. 2014.
ROSAS, Clarissa. As fábulas de Tomás de Iriarte ao longo do tempo: um estudo descritivo de retextualizações
em português e espanhol. Dissertação de mestrado. Orientadora: Cintrão, H. 276 pp.
São Paulo: Tradusp, 2017. Disponível em . Acesso em 19 fev. 2019.
SILVA, Maurício. Poesia infantil contemporânea: dimensão lingüística e imaginário infantil. In: Imaginário,
v. 12, n. 13. São Paulo: USP, 2006, p. 359-380. Disponível em . Acesso em 26 set. 2017.
SPINA, Segismundo. Na madrugada das formas poéticas. 2. ed. Cotia: Ateliê Editorial, 2002.
STELLA, Jorge Bertolaso. A origem da fábula. In: Revista de História, v. 42, n. 85. São Paulo: FFLCH/USP, 1971, p. 175-182. Disponível em . Acesso em 30 mai. 2017.
VALE, Luiza Vilma Pires. Narrativas infantis. In: SARAIVA, Juracy Assmann (org.). Literatura e alfabetização: do plano do choro ao plano da ação. Porto Alegre: Artmed, 2008, p. 43-49.
Publicado
2020-04-21
Como Citar
ROSAS, Clarissa. Literatura infantil e o gênero fábula: confluências. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 10, n. 2, abr. 2020. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/222>. Acesso em: 25 maio 2020.