Poder e sexualidade da infância à ressurreição do João Imaculado

  • Andre Luis Mitidieri UESC
  • Donato José do Prado Neto Universidade Estadual de Santa Cruz

Resumo

O presente estudo, a partir do romance Acenos e afagos, de João Gilberto Noll (2008), busca analisar, a par da teoria foucaultiana, uma genealogia do poder e da moral, assente nas relações de poder, concretizadas pelo discurso. De modo mais específico, é analisada a representação jurídico-discursiva do poder sobre o sexo, observando quatro dos seus elementos à luz dos estudos de Michel Foucault: a) relação negativa; b) a instância da regra, c) o ciclo da interdição, d) a lógica da censura. Para tanto, realiza-se uma investigação de base metodológica qualitativa, pautada na revisão bibliográfica. Enquanto resultados, buscas e verificar principalmente como a sexualidade não se prende a determinada “representação jurídico-discursiva do poder”, subvertendo a temática da repressão dos instintos e a teoria da lei, sobretudo pela expressão dos desejos e construção de subjetividades plurais de resistência ao controle dos corpos e da sexualidade.

Referências

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. 13. ed. Trad. Maria Thereza Costa Albuquerque, José Augusto Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.
JIMENEZ , Michele de Oliveira. Ressurreição e Acenos e afagos: um estudo das masculinidades em Félix e João Imaculado. 93 f. Dissertação (Mestrado em Letras: Linguagem e Sociedade) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE. Paraná, 2011.
MACHADO, Roberto. Impressões de Michel Foucault. São Paulo: N1 Edições, 2017.
NOLL, João Gilberto. Acenos e afagos. Rio de Janeiro: Record. 2008.
Publicado
2020-04-22
Como Citar
MITIDIERI, Andre Luis; PRADO NETO, Donato José do. Poder e sexualidade da infância à ressurreição do João Imaculado. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 10, n. 2, abr. 2020. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/270>. Acesso em: 25 maio 2020.