Paradigmas revisitados em Mika, de Elsa Osorio

  • Juciano Rocha Professor Universidade Federal da Grande Dourados
  • Alexandra Santos Pinheiro UFGD

Resumo

Neste artigo, analisamos, à luz da teoria feminista e do diálogo entre literatura e história, o romance Mika, da escritora argentina Elsa Osorio. A autora dedicou cerca de vinte e cinco anos de pesquisa a fim de reunir relatos, cartas, testemunhos, fotos e histórias que pudessem recontar a vida de Micaela Feldman de Etchebéhère. Ao final, Osorio oferece uma obra literária que pode ser analisada por diferentes aspectos. A história permite compreender como se davam as relações de gênero em meados do século XX, os debates sobre os espaços públicos e privados e as relações identitárias entre homens e mulheres, temas caros à crítica literária feminista atual. Também é possível compreender a relação entre história e literatura e, dentro da perspectiva dos Estudos Culturais, podemos investigar o descortinamento de uma personalidade invisibilizada pela narrativa histórica. BOURDIEU (2011); BEAUVOIR (1970); HALL (2000); SCHMIDT (2000) e ZINANI (2006) são os principais estudiosos com os quais a presente análise estabelece diálogo.

Referências

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. Trad. Sérgio Milliet. 4ª ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.
BENJAMIN, Walter. O Narrador - considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994, p.197-221.
BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.
BUTLER, Judith. Sem medo de fazer gênero: entrevista com a filósofa americana Judith Butler. Folha de S. Paulo: 20 de setembro de 2015. Entrevista concedida à Ursula Passos. Disponível em . Acesso em 26/01/2017.
CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. São Paulo: Cia das Letras, 1995.
HALL, Stuart. Quem precisa de identidade?. In.: Identidade e Diferença: A perspectiva dos estudos culturais. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.
LEITE, Liagia Chiappini Moraes. O foco narrativo. 10ª ed. São Paulo, SP: Editora Ática, 2002.
LEITE, Ligia Chiappini Moraes. “Literatura e História. Notas sobre as relações entre os estudos literários e os estudos historiográficos”. Literatura e Sociedade. n. 05. São Paulo. USP/DTLLC, 2000, p. 18-28.
OSORIO, Elsa. Entrevista a Elsa Osorio – “La Capitana”. Ábrete libro: 2012. Disponível em . Acesso em 01/05/2017.
OSORIO, Elsa. Mika. 2ª ed. Buenos Aires: editora Seix Barral, 2013.
SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Trad. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras: Belo Horizonte: editora da UFMG, 2007.
SCHMIDT, Rita, Terezinha. Mulheres reescrevendo a nação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 84-97, 2000. Disponível em
. Acesso em 30/01/2019.
TODOROV, Tzvetan. “As categorias da narrativa literária”. In.: Análise estrutural a narrativa. Trad. Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis: Vozes, 1976.
ZINANI, Cecil Jeanine Albert. Literatura e Gênero: a construção da identidade feminina. Caxias do Sul, RS: Educs, 2006.
Publicado
2020-04-27
Como Citar
PROFESSOR, Juciano Rocha; PINHEIRO, Alexandra Santos. Paradigmas revisitados em Mika, de Elsa Osorio. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 10, n. 2, abr. 2020. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/275>. Acesso em: 25 maio 2020.