As Mulheres e a Literatura no século XIX: A Senhora de Wildfell Hall enquanto Bildungsroman feminino

Resumo

O presente artigo investiga a questão da literatura de autoria feminina do século XIX ao analisar a obra A Senhora de Wildfell Hall, de Anne Brontë, enquanto um Bildungsroman feminino. Para tanto, fez-se uso das teorias de Bakhtin (2010), Maas (2000), Pinto (1990), Galbiati (2013), Perrot (2017), entre outros, para embasar a pesquisa. Desse modo, os resultados obtidos apontam que o Bildungsroman feminino mostra-se como um meio de, através de histórias escritas por mulheres, serem apresentadas visões de mundo femininas, as quais o papel e a imagem que se tem da mulher são reavaliados de forma crítica. Além de a escrita mostrar-se como um caminho para a liberdade e consolidação da intelectualidade feminina.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. O romance de educação e sua importância na história do realismo. In: ______. Estética da Criação Verbal. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BRONTË, Anne. A Senhora de Wildfell Hall. Rio de Janeiro: Record, 2017.

CAMPANA, Crislaine Aline. A irmã silenciosa: Anne Brontë e a escrita de autoria feminina na Inglaterra do início do século XIX. 2017. 122 f. Monografia (Bacharelado em História) – Departamento de História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

FLORA, Luísa Maria Rodrigues. Bildungsroman. In: CEIA, Carlos (Coord.) E-Dicionário de Termos Literários. 2009. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2020.

FRIEDMAN, Norman. O ponto de vista na ficção. Tradução: Fábio Fonseca de Melo. Revista USP, São Paulo, n. 53 p. 166-182, março/maio 2002.

GALBIATI, Maria Alessandra. Revendo o gênero: a representação da mulher no Bildungsroman feminino contemporâneo. 2013. 121 f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista. São José do Rio Preto.

LIMA, Danielle Dayse Marques de. Dramaticidade, subjetividade e sacralidade em Jane Eyre, o romance de formação de Charlotte Brontë. 2013. 347 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

LIMA, Sónia Aires. A Emancipação através do Trabalho: protagonistas femininas na ficção de Anne Brontë. 2017. 176 f. Dissertação (Mestrado em estudos ingleses e americanos – Área de Especialização de Estudos da Cultura) – Universidade de Lisboa.

MAAS, Wilma Patrícia. O cânone mínimo: o Bildungsroman na história da literatura. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

NUNES, Benedito. A Visão Romântica. In: GUINSBURG, Jacob (Org.). O Romantismo. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

PINTO, Cristina Ferreira. O Bildungsroman feminino: quatro exemplos brasileiros. São Paulo: Perspectiva, 1990.

ROCHA, Patrícia. Mulheres sob todas as luzes: a emancipação feminina e os últimos dias do patriarcado. Belo Horizonte: Editora Leitura, 2009.

ROMEU, Julia. Anne, a terceira irmã Brontë. In: BONTË, Anne. A Senhora de Wildfell Hall. Rio de Janeiro: Record, 2017.

SCHWANTES, Cíntia. Narrativas de formação contemporâneas: uma questão de gênero. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 30, p. 53-62, jun-dez, 2007.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

______. Profissões para mulheres e outros artigos feministas. Porto Alegre: L&PM, 2016.

ZOLIN, Lúcia Osana. Literatura de Autoria Feminina. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana (Orgs.) Teoria Literária: Abordagens Históricas e Tendências Contemporâneas. 3. ed. Maringá: Eduem, 2009.
Publicado
2023-03-04
Como Citar
COSTA, Cindy Conceição Conceição Oliveira; ALMEIDA, Lucélia de Sousa. As Mulheres e a Literatura no século XIX: A Senhora de Wildfell Hall enquanto Bildungsroman feminino. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 13, n. 02, mar. 2023. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/299>. Acesso em: 25 abr. 2024.