(DES)NOTÍCIA: A (DES)CONSTRUÇÃO DE UM GÊNERO DISCURSIVO

  • Filipo Pires Figueira Universidade Estadual de Campinas/Aluno de mestrado

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender mais detalhadamente a relação que
se estabelece pela paródia entre dois gêneros discursivos: a desnotícia e sua
contraparte análoga, a notícia. Para tal, foram dois os procedimentos de análise: por
um lado, analisou-se a cena enunciativa da notícia e da desnotícia, constatando-se que
esta emprega a retórica da objetividade da notícia como sua cenografia, parodiando-a.
Por outro lado, analisou-se a mobilização da memória discursiva, recorrente tanto no
discurso jornalístico quanto no parodista. Verificou-se que a desnotícia remete ao
discurso noticioso não apenas em sua forma composicional, mas também no estilo e
no conteúdo temático dos seus enunciados humorísticos: seja para jogar com os
acontecimentos noticiados de forma inusitada, seja para mobilizá-los como pano de
fundo. Conclui-se reiterando o caráter humorístico da desnotícia: ela parodia a
estrutura da notícia, mas esvazia de sentido a pretensão de objetividade antes
impregnada nela. Assim, o discurso parodístico permite traz à tona outras “verdades”,
interditas ao discurso jornalístico, sobre os acontecimentos a que alude.

Referências

ACHARD, P. Memória e Produção Discursiva do Sentido. In: ACHARD, P. et al, Papel da Memória.
Campinas: Pontes, 2015. Trad.: José Horta Nunes.
BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes,
1997.Trad: Maria Ermantina Galvão G. Pereira
CARVALHO, G. Diretrizes para a Análise de Discurso em Jornalismo. Revista Uninter de Comunicação,
Curitiba, v. 1, n. 1, p. 5-27, jun./dez. 2013.
CHIARO, D. The Language of Jokes: analysing verbal play. Londres: Routledge, 1992.
COURTINE, J.-J. (1981) Análise do Discurso Político: O discurso comunista endereçado aos cristãos. São
Carlos: Edufscar, 2009. Trad.: Patrícia Reuillard (supervisora).
FREGE, G. Lógica e Filosofia da Linguagem. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2009. 248 p. Trad.: Paulo Alcoforado.
FREUD, S.(1905) Os Chistes e sua Relação com o Inconsciente. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1977.Trad:
Jayme Salomão (supervisor).
GENRO-FILHO, A. O segredo da pirâmide: Para uma teoria marxista do jornalismo. Porto Alegre: Tchê,
1987. 230 p.
LAGE, N. Estrutura da notícia. São Paulo: Ática, 1985. 64 p.
MAINGUENEAU, D. (1998) Análise de textos de comunicação, São Paulo: Cortez, 2000. Trad: Cecília P. de
Souza-e-Silva e Décio Rocha.
______. (2004) Discurso literário, Editora Contexto: SP, 2006. Trad: Adail Sobral
______. (2014) Discurso e Análise do Discurso, Parábola Editorial: SP, 2015. Trad: Sírio Possenti.
MILNER, J.-C. O amor da língua. Campinas: Edunicamp, 2012. 126 p. Trad.: Paulo Sérgio de Souza Júnior.
PÊCHEUX, M. (1983) Discurso: Estrutura ou Acontecimento. Campinas: Pontes, 2015a. Trad.: Eni P.
Orlandi.
______. Papel da Memória. In: ACHARD, P. et al, Papel da Memória. Campinas: Pontes, 2015b. Trad.: José
Horta Nunes.
PROPP, V. Comicidade e riso. São Paulo: Editora Ática, 1992. Trad: Aurora Bernardini e Homero de
Andrade.
RUDIN, R. e IBBOTSON, T. Introdução ao Jornalismo: Técnicas Essenciais e Conhecimentos Básicos. Rio
de Janeiro: Editora Roca LTDA, 2008.
SANT’ANNA, A. R. PARÓDIA, PARÁFRASE & CIA. São Paulo: Ed. Ática, 2003.
SKINNER, Q. Hobbes e a Teoria Clássica do Riso. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2004.Trad: Alessandro
Zir.
Publicado
2018-02-22
Como Citar
FIGUEIRA, Filipo Pires. (DES)NOTÍCIA: A (DES)CONSTRUÇÃO DE UM GÊNERO DISCURSIVO. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 8, n. 01, fev. 2018. ISSN 1980-7732. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/30>. Acesso em: 25 jun. 2018.