POR QUE UMA NOVA FASE DA LINGUÍSTICA TEXTUAL?

  • Lícia Maria Heine UFBA

Resumo

Este artigo objetiva focalizar limitações que a Linguística Textual (LT) tem
enfrentado a partir dos anos 90 do século XX, cuja superação sugere a instauração de uma
nova fase da LT. Entre essas restrições, menciona-se a concepção de texto que, embora a LT
tenha conseguido transcender a abordagem centrada no código linguístico, as suas análises
ainda se atêm à linguagem verbal, estabelecendo dicotomias entre o verbal e não verbal que
podem conduzir ao conceito de texto restrito apenas à materialidade linguística. Há também
lacunas ligadas à concepção de sujeito, intencionalidade, bem como as reflexões referentes
aos princípios de textualidade. Neste texto, pretende-se desenvolver considerações sobre
acepção de texto que, direta ou indiretamente, envolvem aspectos acima
mencionados. Sugere-se, então, a Fase Bakhtiniana (HEINE, 2012), para a qual o texto é um
evento dialógico, que traz à baila fenômenos do dialogismo bakhtiniano.

Referências

APOTHÉLOZ, Denis. Rôle et fonctionnement de l’anaphore dans la dynamique textuelle. Genève, 1995.
Tese(Doutorado) - Faculté des lettres de l’Université de Neuchâtel.
BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 8. ed. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo:
EdituraHucitec, 1997.
BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação textual. 4 4. ed. Tradução de Paulo Bezerra.
São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BARROS, D. L. P. de. Contribuições de Bakhtin às teorias do texto e do discurso. In: FARACO, C. A.et al. Diálogos
com Bakhtin. 4. ed. Curitiba: Editora UFPR, 2007.
BEAUGRANDE, R., DRESSLER, W. Einführung in die Textlinguistik. Tübingen: Max Niemeyer, 1981.
BEAUGRANDE, R. de. Linguística textual: para novas margens? In: ANTOS, G.; TIETZ, H. (Ed.). O futuro da
linguística textual: Tradições, transformações, tendências. Tübingen: Niemeyer RGL, 1997. p. 1-12.
BENTES, A. C. Linguística textual. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à linguística: domínios e
fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001. p. 101-142. v. 1.
BENVENISTE, É. Problemas de linguística geral II. Tradução de Eduardo Guimarães et al. Campinas, São Paulo:
Pontes, 1989.
BLIKSTEIN, I. KasparHauser ou a fabricação da realidade. 4. ed. São Paulo: Cultrix, 1995.
BORGES NETO, J. Ensaios de filosofia da linguística. 2004. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
BRAIT, B. (Org.). As vozes bakhtinianas e o diálogo inconcluso. In: BARROS, D. L. de;
FIORIN, J. L. Diálogos, polifonia, intertextualidade. São Paulo: EDUSP, 1994. p. 11-22.
BRANDÃO, H. N. Da língua ao discurso, do homogêneo ao heterogêneo. In: BRAIT, B. (Org.). Estudos iniciativos no
Brasil: histórias e perspectivas. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 2001.
BROWN, G; YULE, G. Discourse analysis. New York: Cambridge University Press, 1983.
CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de análise do discurso. Tradução Fabiana Komesu. 6. ed. São
Paulo: Contexto, 2004.
COSTA, C. Filosofia da linguagem. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.
COSTA, I. B. Cadeias referenciais no português falado. Organon: Revista da Universidade Federal do Rio Grande do Sul,
Porto Alegre - RS, v. 28/29, p. 33-54, 2000.
DUBOIS D. et al. Dicionário de linguística. Trad. Francisco Pessoa et al. São Paulo: Cultrix, 1973.
FARACO, C. A. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar Edições, 2006.
FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.
FARACO, C. A.; TEZZA, C. CASTRO, G. de. Diálogos com Bakhtin. 4. Ed. Curitiba: Editora UFPR, 2007.
FIORIN, J. L. (Org.). Notas de aulas. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2009.
_______ (Org.). Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2008.
HEINE, L. M. B.; NEIVA, N; CRISTO, A; ALVAREZ, P. O texto no livro didático: reflexões e sugestões. Salvador:
EDUFBA, 2014.
________. Aspectos da perspectiva funcionalista da análise linguística. In: HEINE, L. M. B.; HEINE, P. (Org.). Questões
do texto e do discurso. Salvador: UFBA, 2011.
_______. Aspectos do uso da anáfora no português oral. Tese (Doutorado em XXX) - Instituto de Letras da Universidade
Federal da Bahia, Salvador, 2000. mimeo.
HEINE, Lícia M. Bahia. Notas de aulas. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2014
KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003.
KOCH, I. G. V; TRAVAGLIA, L. C. Texto e coerência. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1997.
KOCH, I. G. V. Introdução à linguística textual. São Paulo: Contexto, [2004] 2015.
KOCH, I. V; ELIAS, V. M. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.
HALLIDAY, M.A.K., HASAN, R. Cohesion in English. London: Longman, 1976.
LETA, M. M. Concepções de linguagem e educação. Revista UNIVERSA, Brasília, v. 4, n. 3, p.555-568, out. 1996. Disponível
em: Acesso em:
MAGALHÃES, B. O sujeito do discurso: um diálogo possível e necessário. Revista Linguagem em (Dis)curso, v. 3,
número especial, 2003. Disponível em:
< http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0303/05.htm#_ftn1>Acesso em:
MARCONDES, D. Filosofia analítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed., 2004.
MARCUSCHI, L. A; DIONISIO, A. P. Fala e escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
MARCUSCHI, L. A. Linguística de texto: o que é e como se faz. Recife: Universidade Federal de Pernambuco,
Mestrado em Letras e Linguística, 1983.
______. Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2001.mimeo.
______. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2001.
_______. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, A. et al. Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro:
Lucerna, 2002.
______. Curso de linguística de texto. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Mestrado em Letras e Linguística,
2003.
______. Produção textual, análise de gênero e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.
MIOTELLO, V. Ideologia. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. 4. ed. São Paulo: Contexto, 1997.
MONDADA, L; DUBOIS, D. Construction des objets de discours et categorisation. In: BERRENDONNER, A;
REICHLER-BÉGUELIN, M. (Org.). Du syntagme nominal aux objets-de-descours: SN complexes, nominalisations,
anaphores. Suisse: Institut de linguistique de I’Université de Neuchatel, 1995.
MONDADA, L; DUBOIS, D. Construção dos objetos de discurso e categorização: uma abordagem dos processos
de referenciação. In: CAVALCANTI, M; RODRIGUES, B; CIULLA, A. (Org.). Referenciação. São Paulo: Contexto,
2003.
PINTO, J. P. Pragmática. In: MUSSALIM, F; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras.
São Paulo: Cortez, 2001. p. 47-68.
PONZIO, A. A revolução bakhtiniana: o pensamento de Bakhtin e a ideologia contemporânea. Tradução Valdemir
Miotello. São Paulo: Contexto, 2008.
RIBEIRO, A. P. G.; SACRAMENTO, I. (Org.). Mikhail Bakhtin: linguagem, cultura e mídia. São Carlos: Pedro e
João Editores, 2010.
SAUSSURE, F. de. Curso de linguística geral. 10. ed. São Paulo: Cultrix, 1993.
SOBRAL, A. Arco/atividade e evento. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin e conceitos-chave. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2007.
TEZZA, C. Entre a prosa e a poesia: Bakhtin e o formalismo russo. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.
Publicado
2018-02-22
Como Citar
HEINE, Lícia Maria. POR QUE UMA NOVA FASE DA LINGUÍSTICA TEXTUAL?. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 8, n. 01, fev. 2018. ISSN 1980-7732. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/36>. Acesso em: 25 jun. 2018.