OBSERVAÇÕES SEMÂNTICAS SOBRE O ESTUDO DA CRASE NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

  • Nize Paraguassú UESPI
  • Rivanildo da Silva Borges

Resumo

Comumente, não encontramos na tradição gramatical explicações sobre o
fenômeno da Crase que levem em conta o nível semântico de análise linguística. Neste
trabalho, defendemos que o nível semântico é extremamente relevante para a compreensão e
abordagem escolar da Crase. Desse modo, o objetivo deste trabalho é descrever o fenômeno
da crase no português brasileiro (PB) a partir do nível semântico de análise linguística. Para
tanto, desenvolvemos uma pesquisa exploratória, bibliográfica, de cunho qualitativo
utilizando como fundamento teórico os trabalhos de Müller, Paraguassu-Martins e Taveira da
Cruz, alinhados à Semântica Formal, além das ideias de Ferrarezi Junior, Perini e Travaglia
sobre o ensino de gramática. Concluímos que o estudo da Crase, e de modo mais amplo o
ensino de língua portuguesa, não pode prescindir do nível semântico de análise linguística,
sob pena de reduzir a complexidade e precisão das análises linguísticas e, principalmente, de
tornar-se um obstáculo ao envolvimento dos alunos com a reflexão de sua própria língua.

Referências

ALMEIDA, N. T. de. Gramática da Língua Portuguesa para concursos. 9ª ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
BECHARA, E. Gramática escolar da Língua Portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.
BRASIL. 1990. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm. Acesso em: 12/07/2016.
BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa.
Brasília: MEC/SEF, 1998.
FERRAREZI JUNIOR, C. Semântica para a educação básica. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
___________. Sintaxe para a educação básica. São Paulo: Contexto, 2012.
MÜLLER, A. Genericity and the denotation of common nouns in Brazilian Portuguese. DELTA - Documentação
de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 18, n.2, p. 287-308, 2002.
__________. Tópico, foco e nominais nus no PB. In: L. NEGRI et al. (org.). Sentido e Significação. São Paulo:
Contexto, p. 77-95, 2004.
NEGRÃO, E. V. A natureza da linguagem humana. In: J. L. FIORIN (org.). Linguística? Que é isso? São Paulo:
Contexto, 2013, p. 75-109.
NOGUEIRA, M. T. Contribuições da descrição e análise linguística ao ensino de língua materna. In: M. A. LIMA et
al. (org.). Reflexões linguísticas e literárias aplicadas ao ensino. Teresina: EDUFPI, 2010, p. 209-230.
PARAGUASSU-MARTINS, N. da R. S. A contabilidade dos nomes no português brasileiro. São Paulo, SP.
Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, 2010.
PERINI, M. A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.
SIMIONI, L. Concordância em construções passivas com argumentos pré e pós-verbais, e incorporação de
nomes nus no PB. São Paulo, SP. Tese (Doutorado) Universidade de São Paulo, 2011.
TAVEIRA DA CRUZ, R. O singular nu e a (pseudo) incorporação no PB. Florianópolis, SC. Tese (Doutorado).
Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.
TERSARIOL, A. Tira-dúvidas de Português de A a Z. Erechim: Edelbra, 2004.
TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 13 ed. São Paulo: Cortez,
2009.
__________. Gramática: Ensino Plural. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2011.
VON HEUSINGER, K.; KAISER, G. A. Animacy, specificity and definiteness in Spanish. In: K. VON
HEUSINGER; G. A. KAISER. (ed.). Proceedings of the workshop “Semantic and syntactic aspects of
specificity in Romance languages”. Konstanz, Arbeitspapier 113. Fachbereich Sprachwissenschaft, Universität
Konstanz, p. 41-65, 2003.
Publicado
2018-02-22
Como Citar
PARAGUASSÚ, Nize; BORGES, Rivanildo da Silva. OBSERVAÇÕES SEMÂNTICAS SOBRE O ESTUDO DA CRASE NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 8, n. 01, fev. 2018. ISSN 1980-7732. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/37>. Acesso em: 14 dez. 2018.