VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E PRECONCEITO LINGUÍSTICO: O QUE (NÃO) SABEM NOSSOS PROFESSORES?

  • Adriano Oliveira Santos Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ
  • Angela Marina Bravin dos Santos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ

Resumo

Resumo: Este artigo reflete sobre crenças e atitudes de professores do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), do campus de São Gonçalo, reveladas por um teste em forma de questionário, adaptado de Labov (2008 [1972] e Lambert (1967). A pesquisa justifica-se em função dos conflitos linguísticos observados nesse campus. Parte-se da hipótese de que a ausência de reflexão sobre variação e comportamentos linguísticos em cursos fora da área de Letras favorece atitudes discriminatórias. Articulam-se, ainda, conceitos da Sociolinguística Variacionista (WEINREICH, LABOV e HERZOG (2006 [1968]) com os de crenças e atitudes linguísticas. Os resultados mostraram que há um percentual considerável de docentes, no âmbito da educação básica e da formação de profissional de nível médio, que, pela amostragem, ainda desconhecem alguns aspectos relativos ao fenômeno da variação. Esse desconhecimento pode corroborar práticas sociais em torno da língua que reforçam preconceito e, consequentemente, distanciamento entre professores e alunos, impactando a interação entre esses indivíduos.


Palavras-chave: Crenças e atitudes linguísticas; Professores; Variação

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Estudos Linguísticos (UFF) e com pós-doutorado em Letras (UERJ).  Adriano Oliveira Santos é professor de Língua Portuguesa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), onde realiza e orienta pesquisas. Também é líder do Grupo de Estudos sobre Texto, Discurso e Ensino (Getede/CNPq). adrianolisan@hotmail.com

##submission.authorWithAffiliation##

Mestrado e Doutorado em Letras Vernáculas pela UFRJ, atuando como Professora Associada de Língua portuguesa II, no Departamento de Letras e Comunicação da UFRRJ e como professora permanente do Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS). Coordenadora-bolsista do Programa Residência Pedagógica do Curso de Letras da UFRRJ, área Língua Portuguesa. Coautora do livro Do stand-up à redação escolar na educação de jovens e adultos, co-organizadora de Práticas de ensino do português, e autora do livro Galo Chico, editora EDUR, da UFRRJ. bravin.rj@uol.com.br.

Referências

BORTONI-RICARDO S. M. Educação em Língua Materna: Sociolingüística na sala de aula. 2. ed. São
Paulo: Parábola Editorial, 2004.
CYRANKA, L. F. de M. Atitudes lingüísticas de alunos de escolas públicas de Juiz de Fora – MG 2007.174 f. Tese (Doutorado em Estudos Lingüísticos). – Instituto de Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói.
GUY, G.; ZILLES, A. Sociolinguística quantitativa: instrumental de análise. São Paulo: Parábola, 2007.
LABOV, W. Padrões sociolingüísticos. Trad. M. Bagno; M. M. Scherre; C. Cardoso. São Paulo: Parábola,
2008 [1972].
LAMBERT, W. W.; LAMBERT, W. E. Psicologia social. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1966.
LAMBERT, W. A social psychology of bilingualism. Journal of social issues, Wiley Online Library, v. 23, n. 2, p. 91–109, 1967.
LOPES, C.; DUARTE, M. E. L. (2002) “De ´Vossa Mercê´a ´você´: a pronominalização de nominais nos séculos XVIII e XIX” . In: XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANPOL - Boletim Informativo 31 da ANPOLL - A pós-graduação em Letras e Lingüística no Brasil: Memórias e Projeções. Gramado: UFRS.
PAIVA, M. C.; DUARTE, M. E. L. Quarenta anos depois: a herança de um programa na Sociolinguística brasileira. In: WEINREICH, U; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
SCHNEIDER, Maria N. Atitudes e concepções linguísticas e sua relação com as práticas sociais de professores
em comunidades bilíngues alemão-português do Rio Grande do Sul. 2007. 286 f. Tese (Doutorado em Letras)
Letras em Revista (ISSN 2318-1788), Teresina, v. 12, n. 01, jan./jun. 2021 65
- Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.
TARALLO, F. A pesquisa sociolingüística. São Paulo: Ática. 1997.
TAVEIRA DOS SANTOS, M. C. Expressão da segunda pessoa do singular por meio de um contínuo do oral para o escrito no 6º ano do ensino fundamental. 2020. 100p. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras). Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Departamento de Letras e Comunicação, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, 2020.
WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
Publicado
2022-04-07
Como Citar
OLIVEIRA SANTOS, Adriano; BRAVIN DOS SANTOS, Angela Marina. VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E PRECONCEITO LINGUÍSTICO: O QUE (NÃO) SABEM NOSSOS PROFESSORES?. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 12, n. 01, abr. 2022. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/371>. Acesso em: 29 maio 2022.