A VARIAÇÃO “NÓS” E “A GENTE” NOS SUJEITOS SENTENCIAIS: DO USO REAL EM ENTREVISTAS ESCRITAS AO ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

Resumo

Este trabalho discute a relação variação linguística e ensino de língua portuguesa, retomando a questão do emprego variável de “nós” e “a gente” na função de sujeito. Para tanto, partimos do arcabouço teórico da Sociolinguística e da Sociolinguística Educacional, para obser o uso real desses pronomes entrevistas escritas recentemente concedidas por indivíduos de elevado prestígio social e publicadas na versão digital do jornal O Estado de São Paulo, para, em seguida, verificar o tratamento dado a essa variação na coleção Português: linguagens, de autoria de William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhães. A análise das entrevistas mostrou um quadro de alternância no uso das duas formas. A análise do material didático apontou que a coleção didática aborda o fenômeno linguístico em variação, o que é um avanço, mas ainda o faz de forma isolada. Ou seja, seu tratamento não se dá de maneira sistemática, como recomendam os estudos da Sociolinguística Educacional, ainda que uso variável em formas prestigiadas de expressão da língua seja recorrente, como ocorre nas entrevistas.

Referências

ÁRCTICO, L. S. A variação pronominal Tu/Você e Nós/A gente em livros didáticos de português como língua estrangeira. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Araraquara, 2016, 107p. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/141967. Acesso em 9 dez. 2020.
BORGES, P. R. S. A gramaticalização de A Gente no português brasileiro : análise histórico-social-linguística da
fala das comunidades gaúchas de Jaguarão e Pelotas. Tese (Doutorado em Letras) - UFRGS. Porto Alegre, p. 227. 2004.
BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.
BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica Guia do Livro Didático PNLD 2015: Língua Portuguesa – Ensino médio. Brasília, 2014. Disponível em http://www.fnde.gov.br/component/k2/item/5940-guia-pnld-2015. Acesso em 9 dez. 2020.
BRUSTOLIN, A. Uso e variação de nós e a gente na fala e escrita de alunos do ensino fundamental. In: Anais do IX Encontro do CELSUL. Santa Catarina, 2010.
CAMPOS, E. A. O uso dos pronomes nós e a gente no gênero entrevista da mídia televisiva: uma análise do português culto falado em Belém. In: Anais do I SIMELP, São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.
CARVALHO, O. L. de S.; BAGNO, M. Variação linguística e ensino: ‘nós’ e ‘a gente’ em livros didáticos de português brasileiro como língua estrangeira. Revista de Estudios Portugueses Y Brasileños, v. 15, p. 25-40, 2017.
CASTILHO, A. T. de. Variação dialetal brasileira e ensino institucionalizado da língua portuguesa. In: BAGNO, M.. Linguística da Norma. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2004. p. 27-36.
CASTILHO, A. T. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2010.
CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Português: linguagens, Ensino Médio, v. 1, 2 e 3. 9. ed. São Paulo: 2013.
DIAS, A. R. F. A conversação na entrevista de perfil na mídia escrita: uma questão para o ensino. In: Filol. Linguíst. Port., São Paulo, v. 17, n. 1, p. 157-177, jan./jun. 2015. Disponível em: , Acesso em: 01 jan 2021.
FARACO, C. A. Norma-padrão brasileira: desembaraçando alguns nós. In: BAGNO, M.. Linguística da Norma. 2 ed. São Paulo: Loyola, 2004. p. 37-62.
FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.
FARACO, C. A.; ZILLES, A. M. (Org.). Para conhecer norma linguística. São Paulo: Contexto, 2017.
FERNANDES, E; GORSKI, E. A concordância verbal com os sujeitos nós e a gente, um mecanismo do discurso em mudança. Atas do I Simpósio sobre a Diversidade Linguística no Brasil. Salvador: UFBA, 1986, p. 175-83.
FRANCESCHINI, L. T. Variação pronominal nós/a gente e tu/você em Concórdia-SC. Tese (Doutorado em Letras) - UFPR. Curitiba, p. 253. 2012.
FREITAG, R. M. K. Uso, crença e atitudes na variação na primeira pessoa do plural no Português Brasileiro. DELTA. v. 32 n. 4 São Paulo Oct./Dec. 2016, p. 890-917. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-4506992907750337. Acesso em 10 dez. 2020.
GOULART, C. O tratamento da diversidade e variação linguísticas em livros didáticos de português. Letras & Letras. Uberlândia, vol. 31/2, jul/dez 2015, p. 188-210. Disponível em: DOI: 10.14393/LL62-v31n2a2015-10. Acesso em 9. dez. 2020.
HOFFNAGEL, J. C. Entrevista: uma conversa controlada. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Orgs.) Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003. pp. 180-93.
LOPES, Célia Regina dos Santos. Nós e a gente no português falado culto do Brasil. DELTA, São Paulo , v. 14, n. 2, p. 405-422, 1998 . Disponível em : php?script=sci_arttext&pid=S0102-44501998000200006&lng=en&nrm=iso>. Accessado em? 01 jan. 2021.
LUCCHESI, D. Norma linguística e realidade social. In: BAGNO, M. Linguística da Norma. São Paulo: Loyola, 2004, p. 63-90.
MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.
MAIA, F. P. S. A variação nós / a gente no dialeto mineiro: investigando a transição. Revista da ABRALIN, v. 8, n. 2, 14 maio 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 jan 2021.
MENDONÇA, A. K. Nós e a gente na cidade de Vitória: análise da fala capixaba. In: PERcursos Linguísticos. v. 2, n. 12, p. 1 - 19. 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 jan. 2021.
MITTELSTADT, D.; SANTOS, L. G. dos. A gente e nós e o seu tratamento em um livro didático de português como língua adicional. Cadernos do IL, Porto Alegre, n.º 44, junho de 2012. p. 433-456. Disponível em: www.seer.ufrgs.br. Acesso em 10 dez. 2020.
NICOLAU, R. B. F. O desafio do professor em adequar as teorias linguísticas às necessidades de ensino-aprendizagem da língua portuguesa. Revista Linguagens & Letramentos, Cajazeiras – Paraíba, v. 5, nº 1, jan-jun, 2020, p. 56-75. Disponível em http://revistas.ufcg.edu.br/cfp/index.php/linguagensletramentos/article/view/1431/589. Acesso em 10 dez. 2020
OMENA, N. P. de. (1986). A referência variável da primeira pessoa do discurso no plural. In: NARO, Letras em Revista (ISSN 2318-1788), Teresina, v. 12, n. 01, jan./jun. 2021 118
Anthony et alii. Relatório Final de Pesquisa: Projeto Subsídios do Projeto Censo à Educação. Rio de Janeiro, UFRJ, V. 2. p.286-319.
RAMOS, Conceição de Maria de Araujo; BEZERRA, José de Ribamar Mendes; ROCHA, Maria de Fátima Sopas. Do nosso cotidiano ou do cotidiano da gente? Um estudo da alternância nós/agente no português do Maranhão. Signum: Estudos da Linguagem, v. 12, n. 1, p. 279-292, jul. 2009.
Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2021. doi:http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2009v12n1p279.
SCHERRE, M. M. P. & NARO, A. J. Sobre a concordância de número no português falado do Brasil. In Ruffino, Giovanni (org.) Dialettologia, geolinguistica, sociolinguistica.(Atti del XXI Congresso Internazionale di Linguistica e Filologia Romanza) Centro di Studi Filologici e Linguistici Siciliani, Universitá di Palermo. Tübingen: Max Niemeyer Verlag, 5:509- 523, 1998. Disponível em: http://www.ai.mit.edu/projects/dm/bp/scherre-naro98.pdf. Acesso em 9 dez. 2020.
SCHERRE, M. M. P.; YACOVENCO, L. C.; NARO, A. J. Nós e a gente no português brasileiro: concordâncias e discordâncias. Estudos de Lingüística Galega, ELG. v. Especial, n. I, p. 13-27, 2018. Disponível em: https://revistas.usc.gal/index.php/elg/article/view/3585 Acesso em: 6 jan.
2021.
SEARA, I. C. A variação do sujeito nós e a gente na fala florianopolitana. In: Organon.. Porto Alegre. v. 14, n. 28 -29, p. 179-94, 2000. Disponível em: . Acesso em: 01 jan. 2021.
SILVA, E. C. da. A abordagem dos pronomes pessoais no livro didático de português: reflexões à luz da variação linguística. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2016. 177 p. Disponível em:https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/24499. Acesso em: 9 dez. 2020.
SILVA, F. B. A abordagem da variação linguística no ensino de língua portuguesa em instituições públicas de ensino do estado do Paraná, 2017. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000216176. Acesso em 10 dez. 2020.
SILVA, F. B.; BARONAS, J. E. de A. Crenças Linguísticas sobre o ensino de Língua Portuguesa no curso de Letras. Caletroscópio. Volume 7, N. Especial 1, 2019, p. 236-250.Disponível em: https://periodicos.ufop.br:8082/pp/index.php/caletroscopio/article/view/3875/2995. Acesso em 10 dez. 2020.
TAMANINE, A. M. B. Curitiba da gente: um estudo sobre a variação pronominal Nós/A Gente e a gramaticalização de A Gente na Cidade de Curitiba-PR. Tese (Doutorado em Letras) - UFPR. Curitiba. 2010, 222 p.
VITÓRIO, E. G. DE S. L. A. Variação nós e a gente na posição de sujeito na escrita escolar. Letras & Letras, v. 31, n. 2, 29 dez. 2015, p. 128-143. Disponível em https://doi.org/10.14393/LL62-v31n2a2015-7. Acesso em 9 dez. 2020.
Publicado
2022-04-08
Como Citar
BRANDÃO-SILVA, Flávio; PEREIRA, Hélcius Batista. A VARIAÇÃO “NÓS” E “A GENTE” NOS SUJEITOS SENTENCIAIS: DO USO REAL EM ENTREVISTAS ESCRITAS AO ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 12, n. 01, abr. 2022. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/379>. Acesso em: 07 out. 2022.