A escrita do cárcere: a vertente testemunhal em Confissões de um homem livre, de Luiz Alberto Mendes (2015)

Resumo

Considerando que a produção ficcional brasileira contemporânea tem se voltado para a representação de alguns grupos sociais silenciados, como mulheres, pobres, negros, indígenas, (ex)presidiários, deficientes físicos, entre outros, é que este artigo tem por objetivo investigar como se constrói a representação do sujeito em situação de cárcere no romance Confissões de um homem livre, de Luiz Alberto Mendes, sob o viés testemunhal. No que tange aos resultados obtidos com a presente análise, que se deu sob à luz dos estudos de Moreiras (2001), Selligmann-Silva (2003; 2007; 2018), Guinzburg (2011), Salgueiro (2012; 2015), Penna (2013), entre outros estudiosos, foi possível constatar que a relação entre a escrita do cárcere e a vertente do testemunho se dá a partir de alguns traços configuradores, como o registro em primeira pessoa, o compromisso com a verdade e a lembrança, a resistência, a representação de um evento coletivo e a condição de minoridade.


 

Referências

BONASSI, Fernando (org.). Letras de Liberdade. São Paulo: WB Editores, 2000.
BURGOS, Elizabeth Debray. Meu nome é Rigoberta Menchú e assim nasceu minha consciência. Tradução
de Lólio Lourenço. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.
FRANK, Anne. O diário de Anne Frank. Tradução de Alves Calado. 21. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2013.
GABEIRA, Fernando. O que é isso companheiro?. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
GUINZBURG, Jaime. Linguagem e trauma na escrita do testemunho. In: JOCENIR. Diário de um detento: o livro. São Paulo: Labortexto Editorial, 2001.
LILENBAUM, Patrícia Chiganer. Testemunho: uma breve reflexão sobre ética e estética na literatura judaica. Revista Digital de Estudos Judaicos, Belo Horizonte, vol.1, número 1, pp. 136-144, out. 2007.
MENDES, Luiz Alberto. Memórias de um sobrevivente. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
MENDES, Luiz Alberto. Tesão e prazer: memórias eróticas de um prisioneiro. São Paulo: Geração Editorial, 2004.
MENDES, Luiz Alberto. Às cegas. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
MENDES, Luiz Alberto. Cela forte. São Paulo: Global, 2012.
MENDES, Luiz Alberto. Entrevista com o escritor Luiz Alberto Mendes: “Os livros me salvaram!”. Livre Opinião, 2014a. Entrevista concedida à equipe Livre Opinião. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2020.
MENDES, Luiz Alberto. Leitura – Luiz Alberto Mendes. YouTube (TV Senado), 2014b.
Entrevista concedida a Maurício Melo Júnior. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2020.
MENDES, Luiz Alberto. Confissões de um homem livre. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
MENDES, Luiz Alberto. Desconforto. São Paulo: Reformatório, 2016.
MOREIRAS, Alberto. A aura do testemunho: o testemunho e a questão da literatura. In: A exaustão da diferença: a política dos estudos culturais latino-americanos. Trad. Eliana Lourenço de Lima Reis; Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: UFMG, 2001.
NEGRINI, Pedro Paulo. Enjaulado: o amargo relato de um condenado pelo sistema penal. Rio de Janeiro: Gryphus, 2002.
PENNA, João Camilo. Fala Rigoberta! In: Escritos da sobrevivência. Rio de Janeiro: Editora. 7Letras, 2013a. p. 93-135.
PENNA, João Camillo. O sujeito carcerário. In: Escritos da sobrevivência. Rio de Janeiro: Editora 7Letras, 2013b.p.137-160.
PRADO, Antônio Carlos. Cela forte mulher. São Paulo: Labortexto Editora.
RAMOS, Hosmany. Pavilhão 9: paixão e morte no Carandiru. São Paulo: Geração Editorial, 2001.
RODRIGUES, Humberto. Vidas do Carandiru: histórias reais. São Paulo: Geração Editorial, 2001.
SALGUEIRO, Wilberth. O que é literatura de testemunho: e considerações em torno de Graciliano
Ramos, Alex Polari e André Du Rap. Matraga, Rio de Janeiro, v. 19, número 31, pp. 284-303, jul./dez. 2012.
SALGUEIRO, Wilberth. Trauma e resistência na poesia de testemunho do Brasil contemporâneo. Moara, Pará, v. 44, pp.120-136, jul/dez. 2015.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Apresentação da questão: a literatura do trauma. In: História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Ed. UNICAMP, 2003. p. 45-56.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Literatura da Shoah no Brasil. Arquivo Maaravi, Belo Horizonte, v. 1, número 1, out. 2007a.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Testemunho da Shoa e Literatura. Revista Estudos Judaicos da UFMG, Belo Horizonte: v. 1, out. 2007b.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Literatura e trauma: um novo paradigma. In: SELIGMANNSILVA, Márcio. O local da diferença: ensaios sobre a memória, arte, literatura e tradução. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2018. p. 63-119.
SYRKIS, Alfredo. Os carbonários: memórias da guerrilha perdida. São Paulo: Global, 1980.
TAVARES, Flávio. Memórias do esquecimento. São Paulo: Globo, 1999.
TELLES, Lygia Fagundes. As meninas. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
WEISS, Helga. O diário de Helga Weiss: o relato de uma menina sobre a vida em um campo de concentração. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2013.
ZENI, Bruno (coord.). Sobrevivente André Du Rap. São Paulo: Labortexto Editorial, 2002.
Publicado
2022-06-30
Como Citar
BRANDILEONE, Ana Paula Franco Nobile; MASSARI, Beatriz da Silva. A escrita do cárcere: a vertente testemunhal em Confissões de um homem livre, de Luiz Alberto Mendes (2015). LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 13, n. 01, jun. 2022. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/457>. Acesso em: 01 jun. 2023.