A (re)construção memorialística de Roma e Mogadíscio em Minha casa é onde estou, de Igiaba Scego

Resumo

O presente artigo pretende investigar a relação entre memória, identidade e espaços urbanos. Na narrativa autobiográfica Minha casa é onde estou (2018), da escritora afro-italiana Igiaba Scego, é empreendida uma verdadeira cartografia da memória por meio dos espaços urbanos de Roma e de Mogadíscio, capital somali. Scego discute contatos e trocas culturais, o passado colonial na Somália, o racismo na Itália contemporânea. Para tal discussão, utilizaremos as reflexões sobre memória de Halbwachs (1990) e Candau (2019); sobre identidade, além de Candau, que estabelece um diálogo entre memória e identidade, nos valeremos das reflexões de Stuart Hall (2019); por fim, contaremos com Tuan (1980) e seu conceito de topofilia quando discutirmos as relações afetivas do sujeito com o espaço no seu entorno. Igiaba Scego é uma das principais vozes da contemporaneidade a (re)pensar uma Itália multicultural e plurirracial a partir da tríade memória, espaços urbanos e identidade. 

Referências

CANDAU, J. Memória e Identidade. Trad. Maria Letícia Ferreira. São Paulo: Editora Contexto, 2019.
CÉSAIRE, A. Discurso sobre o colonialismo. Trad. Anísio Garcez Homem. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2010.
HALBWACHS, M. A memória coletiva. Trad. Laurent Léon Schaffter. São Paulo: Edições Vértice, 1990.
Letras em Revista (ISSN 2318-1788), Teresina, v. 13, n. 02, jul/dez. 2022 159
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2019.
KANASHIRO, M. A cidade e os sentidos. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 7, p. 155-160, jan./jun. 2003. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/made/article/view/3051>. Acesso em: 13 jun. 2021.
NEVES, T. & SOBRAL, G. Os sentidos da cidade. Revista Verso e Reverso, v. 33, n. 82, p. 49-57, 2019. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2021.
SCEGO, I. Minha casa é onde estou. Trad. Francesca Cricelli. São Paulo: Editora Nós, 2018.
_______. Come gli italiani hanno imparato a far finta di essere bianchi [on-line], 2020, Disponível em: https://www.editorialedomani.it/idee/commenti/come-gli-italiani-hanno-imparato-a-farfinta-di-essere-bianchi-q5yll1s4>. Acesso em 29 dez. 2020.
TUAN, Y-F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Trad. DIFEL. São Paulo:
DIFEL/Difusão Editorial, 1980.
Publicado
2022-12-30
Como Citar
VIANNA, Leonardo. A (re)construção memorialística de Roma e Mogadíscio em Minha casa é onde estou, de Igiaba Scego. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 13, n. 02, dez. 2022. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/483>. Acesso em: 15 jul. 2024.