IMPOLIDEZ EM INTERAÇÕES ONLINE NO FACEBOOK

  • Ricardo Rios Barreto Filho Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

A interação por meio de sites de redes sociais é uma realidade na contemporaneidade, e, nesse contexto, não são incomuns relatos de agressões e ofensas presentes nas novas mídias digitais. Por essa razão, dedico-me, neste trabalho, a investigar o funcionamento dos ataques verbais (na maioria das vezes multimodais) no Facebook. Em vista do exposto, pretendo apresentar um estudo exploratório sobre a impolidez, neste site de redes sociais, a fim de diferenciar um caso de impolidez genuína e um caso de impolidez simulada (CULPEPER, 2011 p. 207). Para tanto, utilizo o aparato teórico vindo dos estudos da (im)polidez de abordagem sociointeracional, notadamente Eelen (2001), Watts (2003), Spencer-Oatey (2005), Culpeper (2011) e Culpeper e Hardaker (2017), por meio dos quais apresento a análise de duas interações no Facebook que ilustram o propósito desse trabalho. Os resultados aqui apresentados indicam a necessidade de sempre observar aspectos relacionados ao co-texto e contexto de interação em consonância com a análise das escolhas linguísticas dos interactantes nos estudos da impolidez.

Referências

AUSTIN, J L. How to do things with words. Londres: Oxford University Press, 1962. 166 p.
BARTON, D; LEE, C. Language Online: Investigating Digital Texts and Practices. [s.l.]: Routledge, 2013. 208 p.
BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2015: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: Secom, 2015. 153 p. Disponível em: atuais/pesquisa-brasileira-de-midia-pbm-2015.pdf>. Acesso em: 08 ago. 2017.
BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2016: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: Secom, 2016. 153 p. Disponível em: atuais/pesquisa-brasileira-de-midia-pbm-2016.pdf/view>. Acesso em: 08 ago. 2017.
BROWN, P. e LEVINSON, S. C. Politeness: some universals in language usage. New York: Cambridge University press, 1987.
CULPEPER, J. Towards an anatomy of impoliteness. Journal Of Pragmatics, [s.l.], v. 25, n. 01, p.349-367, jan 1996. Semestral.
_______. Impoliteness: Using Language to Cause Offence. New York: Cambridge University Press, 2011.
CULPEPER, J; HARDARKER, C. Impoliteness. In: CULPEPER, J; KÁDÁR, D; HAUGH, M (Ed.). The Palgrave Handbook of Impoliteness. [s.l.]: Palgrave, 2017.
EELEN, G. A critique of politeness theory. Manchester: St. Jerome, 2001.
GRICE, P. Logic and Conversation. In: GRICE, P. Studies in the way of words. Cambridge: Harvard University Press, 1975. Cap. 1. p. 1-144.
LAKOFF, R. T. The logic of politeness; or, minding your p’s and q’s. Papers from the ninth Regional Meeting of the Chicago Linguistics Society, 1973.
LEECH, G. Principles of Pragmatics. New York: Longman, 1983. 250 p
MILLS, S. Discursive Approaches to politeness and impoliteness. In: LINGUISTIC POLITENESS RESEARCH GROUP (Ed.). Discursive Approaches to Politeness. [s.l]: de Gruyter Mouton, 2011.
SEARLE, J R. Expression and Meaning: Studies in the theories of Speech Acts. Cambridge: Cambridge University Press, 1979. 187 p.
SPENCER-OATEY, H. (Im)Politeness, Face and Perceptions of Rapport: Unpackaging their Bases and Interrelationships. Journal Of Politeness Research. Language, Behaviour, Culture, [s.l.], v. 1, n. 1, p.95-119, 1 jan. 2005. Walter de Gruyter GmbH. http://dx.doi.org/10.1515/jplr.2005.1.1.95.
WATTS, R J. Politeness. [s.l.]: Cambridge University Press, 2003.
Publicado
2020-05-15
Como Citar
RIOS BARRETO FILHO, Ricardo. IMPOLIDEZ EM INTERAÇÕES ONLINE NO FACEBOOK. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 10, n. 01, maio 2020. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/111>. Acesso em: 26 nov. 2022.