COMO MESTRANDOS DE LINGUÍSTICA AGEM RETORICAMENTE QUANDO ELABORAM SUA IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA

  • Jancen Sérgio Lima de Oliveira UFPI
  • Leila Rachel Barbosa Alexandre Universidade Federal do Piauí

Resumo

Objetivamos aqui analisar a organização retórica da seção Identificação do problema de pesquisa de projetos de pesquisa de Linguística, descrevendo os passos retóricos recorrentes usados pelos escritores do gênero. Nosso corpus é composto por 14 projetos de pesquisa aprovados na seleção para o ingresso no curso de mestrado em Linguística da Universidade Federal do Piauí dos anos de 2016 a 2018. Nossa abordagem teórica é a perspectiva sociorretórica de análise de gêneros, que conta como principais autores: Swales (1990), Miller (2012) e Bazerman (2015). As análises ocorreram da seguinte forma: primeiro lemos os projetos de pesquisa completos, para termos uma noção geral das ideias dos mestrandos, posteriormente, lemos de forma mais detalhada a seção Identificação do problema de pesquisa, por fim, descrevemos os passos retóricos utilizados de forma mais recorrente pelos escritores. Os resultados das análises nos mostraram os nove passos retóricos mais recorrentes, dentre eles um que ainda não havia sido descrito em pesquisas consultadas: Levantando hipóteses.

Referências

ALVES FILHO, Francisco. Gêneros jornalísticos: notícias e cartas de leitor no ensino fundamental. São
Paulo: Cortez, 2011.
______.Como mestrandos agem retoricamente quando precisam justificar suas pesquisas. Revista Brasileira
de Linguística Aplicada, v. 18, n. 1, 2018.
ASKEHAVE, Inger; SWALES, John M. Identificação de gênero e propósito comunicativo: um problema
e uma possível solução. In: BEZERRA, Benedito Gomes; BIASI-RODRIGUES, Bernardete; CAVALCANTE, Mônica Magalhães (orgs.). Gêneros e sequências textuais. Recife: Edupe, 2009. p. 221-247.
BARROS, José D’Assunção. O projeto de pesquisa em História. Da escolha do tema ao quadro teórico. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. 236p.
BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez, 2009.
______. Retórica da ação letrada. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.
BAWARSHI, Anis S.; REIFF, Mary Jo. Gênero: história, teoria, pesquisa, ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.
BEZERRA, Benedito Gomes. Gêneros no contexto brasileiro: questões [meta]teóricas e conceituais. São Paulo, Parábola Editorial, 2017.
______. A resenha acadêmica em uso por autores proficientes e iniciantes.In BIASI-RODRIGUES, Bernardete; ARAÚJO, Júlio César; SOUSA, Socorro Cláudia Tavares de (orgs.). Gêneros textuais e comunidades discursivas: um diálogo com John Swales. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2009. p. 95-115.
BIASI-RODRIGUES, Bernardete; HEMAIS, Barbara; ARAÚJO, Júlio César. Análise de gêneros na abordagem de Swales: princípios teóricos e metodológicos. In: BIASI-RODRIGUES, Bernardete; ARAÚJO, Júlio César; SOUSA, Socorro Cláudia Tavares de (orgs.). Gêneros textuais e comunidades discursivas: um diálogo com John Swales. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2009. p. 17-31.
BIASI-RODRIGUES, B. O papel do propósito comunicativo na análise de gêneros: diferentes versões. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DE GÊNEROS TEXTUAIS (SIGET), 4., Tubarão, SC. Anais... Tubarão/SC: UNISUL, 2007. p. 729-742.
______. O gênero resumo: uma prática discursiva na comunidade acadêmica. In: BIASI-RODRIGUES, Bernardete; ARAÚJO, Júlio César; SOUSA, Socorro Cláudia Tavares de (orgs.). Gênero textuais e comunidades discursivas: um diálogo com John Swales. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2009. p. 49-75.
DIANA, Daniela. “Gêneros textuais”. Toda Matéria. Disponível em: Acesso em: 03 de fevereiro de 2019.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2010.
HEMAIS, Barbara; BIASI-RODRIGUES, Bernardete. A Proposta sociorretórica de John M. Swales para o estudo de gêneros textuais. In: MEURER, J. L.; BONINI, Adair; MOTTAROTH, Désirrée. Gêneros: teorias, métodos e debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. p. 108-129.
JUCÁ, D. C. N. A organização retórica-argumentativa na seção de justificativa no gênero textual projeto de dissertação. 2006. 109 f. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2006.
KING, Stephen. Sobre a escrita. Tradução Michel Teixeira. - 1. ed. - Rio de Janeiro : Objetiva, 2015.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial,
2008.
MILLER, Carolyn R.. Gênero como ação social. In: ______. Gênero textual, agência e tecnologia. São Paulo:
Parábola Editorial, 2012. p. 21-41.
MONTEIRO, Beatrice Nascimento. Organização retórica e estruturação sequencial da seção de metodologia do
gênero projeto de pesquisa. 2017. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Piauí, Piauí.
MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, G.R. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. Série Estratégias de ensino.
PEREZ, Luana Castro Alves. “Gêneros textuais”; Brasil Escola. Disponível em . Acesso em 3 de fevereiro de 2019.
RIO LIMA, Carolina Aurea Cunha. Movimentos retóricos da seção de fundamentação teórica de projetos de pesquisa da subárea de Linguística. Teresina: PIBIC, 2015. (Não publicado)
SILVA, Camila Rayssa Barbosa da. Movimentos retóricos da seção de justificativa de pré-projetos de pesquisa da
subárea de Linguística. Teresina: PIBIC, 2015. (Não publicado)
SOUSA, Leonardo da Cunha. Recursos léxico-gramaticais recorrentes na seção Justificativa em pré-projeto de pesquisa das subáreas de Linguística. Teresina: PIBIC, 2017. (Não publicado)
SWALES, John M. Genre analysis: english in academic and researching settings. Cambridge: Cambridge
University Press, 1990.
Publicado
2020-06-04
Como Citar
LIMA DE OLIVEIRA, Jancen Sérgio; BARBOSA ALEXANDRE, Leila Rachel. COMO MESTRANDOS DE LINGUÍSTICA AGEM RETORICAMENTE QUANDO ELABORAM SUA IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA. LETRAS EM REVISTA, [S.l.], v. 11, n. 01, jun. 2020. ISSN 2318-1788. Disponível em: <https://ojs.uespi.br/index.php/ler/article/view/235>. Acesso em: 06 jul. 2020.